Estratégias de referenciação em textos multissemióticos
PDF

Palavras-chave

Anáforas; Elementos Evocativos; Referenciação.

Como Citar

MAGALHÃES CAVALCANTE , M.; ANGELICA PAIVA BRITO , M. Estratégias de referenciação em textos multissemióticos. SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ, v. 5, n. 12, p. 55-71, 14 jan. 2021.

Resumo

Nosso objetivo neste artigo é demonstrar, por meio da análise de charges e acusações postadas nas redes sociais Facebook e WhatsApp, que os interlocutores elaboram representações negociadas dos referentes a partir de pistas contextuais que lhes permitem reconstruir introduções referenciais ou anáfora (retomada). Tais indicações são expressas ou retratam identidades em textos imagético-verbais, ou apenas elementos evocativos que fazem parte desses textos. À semelhança do que é feito pelas expressões referenciais, as imagens podem explicar os referentes ou apenas evocá-los. Tentamos demonstrar como alguns dos traços imagéticos que evocam referentes são explicáveis pela Grammar of Visual Design de Kress e van Leeuwen, e que os mesmos traços podem favorecer processos sociocognitivos de introdução, anáfora e dêixis.

PDF

Referências

ALMEIDA, D. B. L.; FERNANDES, J. D . C. (2008). Revisitando a gramática visual nos cartazes de guerra. In: Almeida , D. B. L. (Ed.). Perspectivas em análise visual: do foto jornalismo ao blog. João Pessoa: UFPB, p. 11-31.
BONOMI, Andrea. (1994). Descrizioni. In: Lo spirito della narrazioni. Milão: Bompiani, p. 51-63
CAVALCANTE, M.M.; BRITO, M. A. P. (2016). O caráter naturalmente recategorizador das anáforas. A sair.
CAVALCANTE, M.M; CUSTÓDIO FILHO, V.; BRITO, M.A.P. (2014). Coerência, referenciação e ensino. São Paulo: Cortez.
COSTA, M. H. A. (2007). Acessibilidade de referentes: um convite à reflexão. Tese (Doutorado em Linguística) –Universidade Federal do Ceará.
CUSTÓDIO FILHO, V. (2011). Múltiplos fatores, distintas interações: esmiuçando o caráter heterogêneo da referenciação. 331p. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará.
HALLIDAY, M. A. K. Language as Social Semiotic. London: Edward Arnold, 1978.
JEWITT, C; OYAMA, R. (2001). Visual meaning: a social semiotic approach. (2009) In: VAN LEEUWEN, T.; JEWITT, C. (Eds.). Handbook of visual analysis. London: Sage.
KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. (1996) [2006]. Reading Images. The Grammar of Visual Design. London: Routledge.
LEAL, A. A. (2011). A organização textual do gênero cartoon: aspectos linguísticos e condicionamentos não Linguísticos. Tese de doutorado. Universidade Nova de Lisboa.
MONDADA, L.; DUBOIS, D. (1994). Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos referenciais. Trad. Mônica Magalhães Cavalcante. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B; CIULLA E SILVA, A. (Orgs.). Referenciação: São Paulo: Contexto, 2003, p. 17-52.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ