A semiótica e a análise de gêneros multimodais: uma proposta de ensino de língua portuguesa na educação básica
PDF

Palavras-chave

Semiótica; Gêneros textuais; Multimodalidade; Ensino de língua portuguesa.

Como Citar

MARTINS DA COSTA GOMES , F. A semiótica e a análise de gêneros multimodais: uma proposta de ensino de língua portuguesa na educação básica . SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ, v. 5, n. 12, p. 140-158, 15 jan. 2021.

Resumo

A multimodalidade assenta-se nas proposições de que os significados dos textos são produzidos, distribuídos, recebidos, interpretados e reproduzidos pela interface entre a linguagem verbal e não verbal, e não somente através da língua escrita ou falada. Nessa perspectiva, este estudo busca analisar como os professores de língua portuguesa podem encontrar na semiótica caminhos para ampliar a competência leitora dos alunos da educação básica.  A proposição defende que os signos verbais e não verbais são moldados a partir de seus usos culturais, históricos e sociais, a fim de realizarem diferentes processos comunicativos. Para tanto, o estudo fundamentar-se-á em Antunes (2003), Brasil (2017), Biesta (2018), Bakhtin (2010 [1997]); Marcuschi (2002-2008); Rojo (2005); Motta-Roth (2005); Bonini (2005); Brait (2000); Rodrigues (2005), Monte Mor (2018), Halliday (2004), Ramos (2010), Santaella (2008) e Simões (2017). A pesquisa intenta demonstrar como o professor pode utilizar um gênero multimodal como a tirinha para ensinar língua na educação básica. Em síntese, espera-se que estudo aponte, conforme preconizam as Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 2017), caminhos para o professor transformar o texto em objeto de ensino de língua portuguesa.

 

PDF

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010 [1992].
BARROS, D. L. P. de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.
BAZERMAN, Charles. Atos de fala, gêneros textuais e sistemas de atividade: como os textos organizam atividades e pessoas. In: BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2005.
BIESTA, G. O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Educação, v. 41, n. 1, p. 21-29, 2018.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.
DIONÍSIO, A. P. Gêneros Textuais e Multimodalidade. In: KARWOSKI, A. M. ; GAYDECZKA, B. ; BRITO, K. S. (Org.) . Gêneros textuais: reflexões e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.
DIONÍSIO, A. P. Multimodalidade discursiva na atividade oral e escrita (atividades). In: MARCUSCHI, L. A.; DIONÍSIO, A. P. (Org.). Fala e Escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
DUBOC, Ana Paula Martinez. A avaliação da aprendizagem de línguas e o letramento crítico: uma proposta. In: JESUS, D. M. de; CARBONIERI, D. (Orgs.). Práticas de multiletramentos e letramento crítico: outros sentidos para a sala de aula. Campinas, SP: Pontes Carlos Lílian Editores, 2016, p.57-79.
FUZER, Cristiane & CABRAL, Sara Regina Scotta. Introdução à gramática sistêmico-funcional em língua portuguesa. Campinas: Mercado de Letras, 2014.
GERALDI, João Wanderley. O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum Curricular. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 31-396, jul./dez. 2015
HALLIDAY, M. A. K. An introduction to Functional Grammar (1ª ed.). London: Edward Arnold, 1985.
HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2. ed. London: Arnold, 1994.
HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2. ed. London: Arnold, 2004.
HALLIDAY, M. A. K. El lenguaje como semiótica social: la interpretación social del lenguaje y del significado, 2005
HALLIDAY, M. A. K e Matthiessen, C. M. I . Uma introdução à gramática funcional. Londres: Routledge, 2004.
KRESS. G. & van LEEUWEN. Reading images: The grammar of visual design, 2006.
Lemke, J. L. Material sign processes and ecosocial organization. In P. B. Andersen, C. Emmeche, & N. O. Finnemann-Nielsen (Eds.), Downward causation: Self-organization in biology, psychology, and society (pp. 181–213). Aarhus, Denmark: Aarhus University Press, 2000.
LUNA, T. S. . A pluralidade de vozes em aulas e artigos científicos. Revista Ao Pé da Letra (UFPE), v. 4, 2002.
LUYTEN, S. M. B. Implodindo preconceitos: a conduta na pesquisa de histórias em quadrinhos. IN: VERGUEIRO, Waldomiro (org.), RAMOS, Paulo (org.), CHINEM, Nobu (org.). Os pioneiros nos estudos de quadrinhos no Brasil. São Paulo: Criativo, 2013.
MAIA, J. Tecnologias Digitais e Educação Transformativa: potencialidades para formação crítica e participação social mais ampla de vozes locais. In: ROCHA, C. H.; BRAGA, D. B.; CALDAS, R. R. Políticas linguísticas, ensino de línguas e formação docente: desafios em tempos de globalização e internacionalização. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015, p. 155-174.
MARCUSCHI, L. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A.; Gêneros textuais & Ensino. . São Paulo: Parábola Editorial, 2010, p. 19-38
MONTE MOR, W. Formação docente e educação linguística: uma perspectiva linguístico-cultural-educacional. In: MAGNO e SILVA , W.; SILVA, W. R.; CAMPOS, D. M. (Org.). Desafios da Formação de Professores na Cristiane Linguística Aplicada. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p.187-206.
RAMOS, W; VERGUEIRO, P. Quadrinhos na educação: da rejeição a prática. (org.) – São Paulo: Contexto, 2010.
SANTAELLA, L. Semiótica Aplicada. São Paulo, SP: Cengage Learning, 2008.
SIMÕES, D. Semiótica e ensino: letramento pela imagem. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2017.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ