Farmando palavras: formação de palavras na linguagem gamer a partir da rede social Twitter
PDF

Palavras-chave

linguaguem gamer; twitter; formação de palavras; rede social.

Como Citar

SANTOS DA PAZ , D.; ALEXANDRE DOS SANTOS COSTA , W. Farmando palavras: formação de palavras na linguagem gamer a partir da rede social Twitter. SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ, v. 5, n. 12, p. 191-210, 15 jan. 2021.

Resumo

Neste artigo, apresentamos um estudo sobre as motivações que levam a formação de novas palavras na língua portuguesa a partir de uma linguaguem gamer representada na plataforma de rede social Twitter. A língua é um sistema dinâmico, sobretudo no mundo digital, virtual e online, domínios nos quais as necessidades comunicativas se expandem velozmente na mesma medida em que há necessidades urgentes de comunicação para dar conta das fertilidades de inovações, daí a constituição de uma linguaguem gamer, oriunda dos jogos virtuais. O objetivo geral deste trabalho é, pois, investigar de que maneira se formam as palavras na linguaguem gamer, provenientes da rede social Twitter. Como processo metodológico, selecionamos e analisamos os tweets que contemplaram as seguintes palavras-chave: tankar, tankando, rushar e rushando, disponíveis de forma pública pela ferramenta de busca da rede social Twitter. O aparato teórico que sustenta a análise contempla, principalmente, estudos circunscritos nos campos de comunidade virtual (MARCUSCHI, 2010), da cibercultura (LÉVY, 1999), da linguística estrutural (MARTELOTTA, 2011) e da morfologia estruturalista (CUNHA, 2017).

PDF

Referências

BASILIO, Margarida. Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto, 3.ed. 2011.
CAMARA JR, Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Editora Vozes, 30.ed. 1999.
CUNHA, Celso; LINDLEY, Cintra. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon, 7.ed. 2017.
FREITAS, Maria Teresa de Assunção (org.). Cibercultura e formação de professores. Belo horizonte: Autêntica Editora, 2009.
FREIRE, Alan Eugênio Dantas. Linguagem e identidade no twitter: a pós-modernidade em 140 caracteres. In: XIX Anais da Semana de Humanidades da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2011. Disponível em: . Acesso em: 12/05/2020.
KEHDI, Valter. Formação de palavras em português. São Paulo: Editora Ática, 3.ed. 2003.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela P.; MACHADO, Anna R.; BEZERRA, Maria A. (Org.). Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2.ed. 2003.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio. & XAVIER Antônio. Carlos. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
MARTELOTTA, Mário Eduardo (Org.). Manual de Linguistica. São Paulo: Contexto, 2.ed. 2011.
MERRIAM-WEBSTER. Webster’s Dictionary online. 2020. Disponível em: . Acesso em: 19/05/2020.
______. RUSH. In: Webster’s Dictionary online. 2020. Disponível em: . Acesso em: 19/05/2020.
______. TANK. In: Webster’s Dictionary online. 2020. Disponível em: . Acesso em: 19/05/2020.
SÁ, Patricia Riccelli Galante de; LIMA, Vitor Moura. Comunicação, planejamento e convergência de mídias. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018.
SILVA, Glayse Ferreira Perroni da. O Twitter como um novo gênero digital para o ensino de língua materna a partir de uma análise textual e discursiva do gênero literário microconto. 2013. 157f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada). Universidade de Taubaté, 2013.
SILVA, Maria Cecilia P. de Souza e; KOCH, Ingedore Grünfeld Villaça. Linguística aplicada ao português: morfologia. São Paulo: Cortez, 1995.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ