Julio Cortázar na autoestrada performática
PDF

Palavras-chave

Cortázar
Performance
Romance

Como Citar

SCOS, A.; FERNANDES BERNAL, M. D. Julio Cortázar na autoestrada performática. SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ, v. 6, n. 13, p. 79-92, 30 maio 2022.

Resumo

Resumo: Este trabalho objetiva investigar o desenvolvimento conceitual do romance Los Autonautas de la Cosmopista, do escritor argentino Julio Cortázar. A análise vale-se de reflexões de autores que abordam tanto a performance, quanto a escritura. Em um primeiro momento, o trabalho apresenta um breve mapeamento de características da arte performática em parceria com o estudo dos conceitos de Escritura e Jogo propostos por Paul Zumthor (2005). A escolha do romance permite estabelecer uma ligação mais clara e eficaz da performance junto ao texto literário em um dos textos em que a performance aparece de maneira mais latente em Cortázar, sem partir do pressuposto de uma possibilidade performática. Portanto, a escolha de Los Autonautas de la Cosmopista é pontual, uma vez que nem todos os romances carregam traços justificáveis e palpáveis de performance. No texto analisado é possível perceber que a ação descrita no livro é de origem performática, possibilitando ao leitor a interpretação de um ato performático. Desta maneira, a obra de Cortázar atinge o leitor em distintos planos, já que um texto para ser considerado performático exige a presença do corpo em ação acompanhado de uma forma textual e a utilização do leitor no ato da leitura.

 

Palavras-chave: Cortázar; Performance; Romance.

PDF

Referências

COHEN, R. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Perspectiva, 1989.

CORTÁZAR, J. DUNLOP, C. Los Autonautas de la Cosmopista. Buenos Aires: Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, 2007.

COMPAGNON, A. O Demônio da Teoria: Literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

ECO, U. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

_______. Seis passeios pelo bosque da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GLUSBERG, J. A arte da performance. São Paulo: Perspectiva, 2009.

GOLDBERG, R. A arte da performance: do futurismo ao presente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1999.

ISER, W. O Jogo do texto. In: LIMA, Luiz Costa (org). A literatura e o leitor: textos da estética da recepção. 2. ed. São Paulo: Paz e terra, 2002.

RAVETTI, G. Nem pedra na pedra, nem ar no ar: reflexões sobre literatura latino-americana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

ZUMTHOR, P. Escritura e nomadismo: entrevistas e ensaios. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 SEDA - Revista de Letras da Rural-RJ